O que é o Desajuste?


O desajuste é uma rede de pessoas que pesquisam e se interessam por economia com o objetivo de oxigenar e disputar o debate público em um sentido progressista e popular.

Organizamos espaços de estudo e conversa, além de atuarmos nas redes em favor de uma economia fora da curva.


Manifesto


"Hoje já é lugar comum para a juventude o ímpeto proposto pelo mangue beat de desorganizar para se organizar. Desejamos o mesmo para a economia: se as propostas do campo restringem-se a tanto tempo ao ajuste, nos resta retribuir com o desajuste, porque a realidade exige que pensemos fora da curva."

Leia nosso manifesto na íntegra aqui.


NOVA EDIÇÃO: Clube de Leitura


O desajuste organiza um clube de leitura que está sempre lendo um livro novo e promovendo debates abertos. Venha participar!

Cursos sobre Economia


O desajuste organiza cursos abordando diversos temas relacionados à economia! Confere aqui os que já organizamos e fique de olho nos próximos!

Correio fora da curva

O Correio Fora da Curva é a newsletter do Desajuste! Escrevemos, a cada três semanas, sobre tudo que acontece no mundo da Economia, para quem não gosta da mesmice do debate econômico.

Dicionário de Economês

Veja nossa serie de posts explicando conceitos chave da economia.

Acesse todos os conceitos do Dicionário de Economês Keynesiano aqui .


Acesse todos os conceitos do Dicionário de Economês aqui .


Leia todos nossos artigos aqui.

NOVO: Aumentar a Diversidade em Economia não é só uma Obrigação Moral

Este artigo constitui uma fala que a Luiza fez no seminário de encerramento do "Workshop anual New School-Umass", em 2019. Com o painel de fechamento intitulado "Ampliando as Fronteiras da Economia Política", Luiza enfatiza que, para de fato ampliarmos as fronteiras, é necessário incluir diversidade. Em suas palavras, "precisamos abrir a caixa preta da economia política que é a classe trabalhadora e entender como a opressão intraclasse desempenha um papel crucial na explicação da dinâmica econômica". Confere lá o artigo para entender melhor o que ela quer dizer com isso, e como podemos avançar nesta agenda!

Se achou interessante e quer continuar lendo, você consegue acessá-lo na íntegra aqui.

NOVO: Desajuste-se! Pela Democracia, por Igualdade e pelo Desenvolvimento

Neste artigo, Elias desenvolve a ideia de que, para alcançar uma democracia verdadeira, com igualdade racial e desenvolvimento em todos os seus aspectos, é necessário "pensar fora da curva": "Se até aqui os ajustes socioeconômicos e políticos institucionais hegemônicos não foram eficazes em fazê-lo, que a partir de agora sejamos todos desajustados! ".

Às vésperas de encerrarmos este ano de 2020 – aquele que nunca terá fim - a questão que devemos nos colocar, enquanto economistas e pensadores de nossa época, é como deveremos atuar de forma resoluta e proativa diante da antecipação de um futuro que nos foi apresentado em meio a luta contra o coronavírus, mesmo antes de sequer termos robustecido a nossa jovem democracia. Isto é, agora é hora de queimar as etapas necessárias à busca de um modelo de gestão socioeconômica e político institucional que alcance aquilo que o Brasil teimosamente se negou executar, desde sempre: a democracia plena, igualdade racial substantiva e desenvolvimento sustentável.

Se achou interessante e quer continuar lendo, você consegue acessá-lo na íntegraa aqui.


NOVO: A responsabilidade da/o economista brasileira/o

Neste artigo, Fernanda questiona qual o papel da economia como ciência social e da posição do economista na formulação de teorias, métodos, modelos e instrumentos na busca no incremento do bem-estar social. Em especial, ela questiona qual o papel do economista na periferia do capitalismo e em um país subdesenvolvido como o Brasil. Para ela, o rompimento de consensos e pensar fora na curva são elementos centrais para pensar o futuro e para pensar a economia como um instrumento de transformação.

Se achou interessante e quer continuar lendo, você consegue acessá-lo na íntegra aqui.


NOVO: A importância do Desajuste

Neste artigo, Leda discute a centralidade da educação no projeto liberal de desenvolvimento e questiona o movimento individual dessa perspectiva. Sugere que ao invés disso, a educação deve ser vista como elemento fundamental para a formação de cidadãs e cidadãos capazes de exercer uma reflexão crítica e, para isso, nos convida a um desajuste.

Se achou interessante e quer continuar lendo, você consegue acessá-lo na íntegra aqui.